quinta-feira, 26 de março de 2009

ESCURIDÃO


ESCURIDÃOOlhos de mar.
Até onde irá navegar sem visão?
Quantas coisas passarão batidas em sua vida,
Quantas imagens se perderão
Na imensidão da sua imperfeição.
Qual escuridão vai lhe assombrar,
A desconhecida ou a esquecida?
Qual ferida irá causar a dor,
A de não viver ou de não ver o amor
Chegar, ficar, passar...
Quantas lágrimas escorrerão do seu rosto,
Quantos prantos serão derramados,
Tantos desejos findados
No seu inacabado viver.
Não queira fugir
Nem tente escapar,
Veja o anoitecer
Deixe-se envolver pela escuridão.
Não lute em vão
Nem chore a dor da perda.
Guarde em seu coração a imagem mais linda,
Pois as lembranças nunca lhe serão arrancadas...


(Vanessa Rodrigues de Sousa)

2 comentários:

Romério Rômulo disse...

vanessa:
caminhei na escuridão.
romério

George Arribas disse...

Minha linda poetisa !
Quem faz da escuridão a sua luz corre o risco de não perceber a maravilha das cores...
Sou suspeito de comentar os seus poemas porque admiro sua genialidade poética.
bjs
George Arribas