sábado, 4 de dezembro de 2010

69 E ASSIM VOCÊ SURGIU...



Nesta noite em que invadiste minha alma
E fizeste do meu corpo teu refúgio,
Me senti a predadora mais devassa,
Pendurada no teu membro grosso e duro.


Sob o peso dos teus dedos me rasgando
E a leveza da tua língua a me roçar,
Ao mirar-me nos teus olhos fui gozando,
Te gemendo a todo tempo sem parar.


Na pressão da minha língua enlouquecias,
No teu corpo eu me sentia arrepiar,
Implorando sentir mais a tua língua
Na saliva que de ti fiz derramar...


Vanessa Rodrigues.